sábado, 5 de abril de 2014

Dia Nacional dos Moinhos: uma realidade cruel que importa mostrar




Foi há 2 anos que, no âmbito do Dia Nacional dos Moinhos, mostrei aqui este mesmo moinho, utilizando para isso 3 fotografias, em 3 ângulos diferenciados. É hoje, no mesmo âmbito, que mostro exactamente o mesmo moinho, utilizando para isso 3 fotografias, em 3 ângulos sensivelmente iguais aos de há 2 anos.
Desta vez mostro, na fotografia inicial, algo que anteriormente não tinha salientado, mas que se reveste de grande importância. Uma frase escrita por miúdos do 6º ano, ainda em 2004, a qual além de não ter perdido sentido, ganha cada vez mais sentido, mesmo que as entidades públicas locais não tenham compreendido o verdadeiro significado da frase.
Afinal para que se gastaram fundos comunitários na recuperação de vários moinhos de vento na região de Sicó? 
Neste caso, o moinho situa-se em Alvaiázere, no entanto podia situar-se em Ansião, Pombal, Soure, Condeixa ou Penela. Neste caso, e nos últimos dois anos, o que mudou foi apenas o grau de degradação do moinho respectivo, como  fica, em parte, evidenciado nas fotografias e como fica , em parte, expresso na comparação com o estado do moinho há 2 anos atrás.
E os responsáveis por este moinho, o que têm a dizer? E os responsáveis pelos outros moinhos em estado semelhante, o que têm a dizer? Faz-se silêncio...
Ninguém faz mea culpa, mas quando surge alguém a alertar para a situação de abandono, essa mesma pessoa é vista como persona non grata, é assim a realidade na região de Sicó, especialmente em Alvaiázere, pelo menos segundo a minha experiência pessoal.
Um artigo do qual sou autor principal, e que versa sobre a temática dos moinhos na região de Sicó, está infelizmente à espera de ser publicado há 2 anos, por dificuldades financeiras compreensíveis da parte das entidades que o vão ajudar a publicar. Esperava por esta altura já ter novidades sobre o mesmo, pois em Janeiro foi-me comunicado que estaria para muito breve, no entanto, e não sendo ainda possível, deixo-vos com as próximas 3 fotografias, as quais falam por si mesmo.
Logo que o artigo em causa seja publicado, prometo que irei dar destaque ao mesmo. Tenho a certeza que a grande maioria dos que o lerem irão gostar. Foi um artigo muito trabalhoso, no qual aprendi bastante sobre os moinhos da região de Sicó e do qual me orgulho enquanto cidadão e profissional ligado à questão patrimonial.




Para finalizar, um enorme lamento, o facto de em pleno Dia Nacional dos Moinhos, na região de Sicó, outrora região de moinhos, e na actividade "Moinhos Abertos 2014", apenas um moinho participar nesta actividade, curiosamente em Ansião, na Serra da Portela, Pousaflores. É precisamente em Ansião, mais precisamente no Outeiro, onde se estão a recuperar (finalmente!) outros moinhos. A ver vamos, pois uma coisa é recuperar um moinho, outra é dar-lhe novamente vida.
Um reparo a fazer à Junta de Freguesia de Pousaflores, o de que o nome da serra onde se situa aquele moinho é serra da Portela e não monte da ovelha ou serra do Anjo da Guarda. Esta tem a obrigação de chamar "as coisas" pelo seu nome!
Monte da Ovelha é o nome do marco geodésico ali existente. Anjo da Guarda relaciona-se com a Capela ali existente, nada mais. Quanto à serra, essa tem apenas um nome, Serra da Portela!




Sem comentários: