quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Abate de sobreiros no lugar do Sobreiral, Alvaiázere!


Dizia eu, no último comentário, que em Alvaiázere a política ambiental e territorial era de fachada, lembram-se?
Dizia eu, na última parte do comentário, que se plantam umas dúzias de árvores nobres todos os anos e sempre no mesmo sítio, algo que, quanto a mim, serve apenas proprósitos maiores. Infelizmente não foi preciso esperar muito para surgir mais um facto que mostra que em Alvaiázere vive-se das aparências, politicamente falando.
Esta segunda-feira fui até Alvaiázere, pois além de precisar de fazer um registo fotográfico, do parque eólico, fazia questão de dar uma volta por um território que há 7 anos me fascina. Foi pois o passeio da despedida de 2011 por estes lados. Não contava encontrar o que acabei por encontrar e por mero acaso, quando andava por umas ruas a escassas centenas de metros do centro da Vila. Fui surpreendido porque ninguém, dos meus "informadores" me tinha dito nada, talvez porque a tirania manda naqueles lados e promove o medo nas pessoas, daí ninguém denunciar.
Quando estava a tirar umas belas fotografias de uma bela quinta, acabei por, mais tarde, seguir o caminho que circunda a tal quinta, o que me levou ao lugar do Sobreiral. Como vi que estava por ali uma máquina giratória, acabei por dar a volta e entrar pelo acesso principal, dando assim menos nas vistas (quando sou visto por Alvaiázere certas pessoas são informadas que eu ando por lá e surgem os "vigilantes").
Entrando pelo acesso da estrada municipal, onde tem a placa "Sobreiral", parei a carrinha, pois dali não era visto. Foi nessa altura que ouvi um barulho que me preocupou bastante, o som de uma árvore a ser derrubada. Assim sendo, tirei a máquina fotográfica e peguei novamente na carrinha.
Mais à frente, lá estava a máquina de uma empresa a derrubar árvores. Não foi surpresa ver sobreiros no chão, ainda mais porque o lugar se chama Sobreiral. Estacionei a carrinha num largo e vi que além de sobreiros de grande porte, o mesmo aconteceu a carvalhos de grande porte, todos em bom estado.
Estava ali um emigrante a passear o cão e, durante uns minutos falámos acerca da obra naquela estrada municipal. Algumas das árvores já tinham sido levadas dali...
Desci a rua, até onde a máquina estava a trabalhar, tendo sido precisamente nessa altura que mais um sobreiro veio abaixo, aquele mesmo que vêm na foto. Fiquei chocado com o facto, mas não me chocou que isto tenha acontecido em Alvaiázere...
Se puderem vão ver mais este atentado ambiental em Alvaiázere. Penso que brevemente além de já não restarem provas do sucedido, o lugar do Sobreiral já não vai ter motivos para manter a sua toponímia. Talvez a próxima toponímia possa vir a ser Derruba Sobreiro...
Por esta hora a Brigada Verde da GNR já deve ter tomado conta da ocorrência, pois obviamente fiz quentão em exercer a minha cidadania. Lembro que quem quiser fazer uma denúncia pode fazê-lo de forma anónima, estando assim livre de represálias. No meu caso, não tenho esse problema e faço questão de denunciar mais este caso publicamente, primeiro às autoridades competentes e depois a todos vós.
Não prescindam de fazer algo tão importante como exercer a vossa cidadania, o país está como está devido à "nossa" passividade, por isso há que denunciar tudo o que está mal!


Sem comentários: