quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Toponímia: uma forma brilhante de conhecer a região de Sicó

Comprei este livro há 2 meses numa mini-feira do livro. Tendo em conta que é um dos muitos temas que me interessa, não houve a mínima hesitação na compra de mais um livro para a cada vez maior biblioteca pessoal.
Uma das coisas que considero mais importante para o conhecimento da região de Sicó, por parte de cada um de nós, é o ir para o campo, caminhar por locais não conhecidos ou mesmo por locais que pensamos que conhecemos. Confesso que me incomoda ouvir sempre a desculpa do costume, pois quando, por vezes, desafiava alguns colegas para a ida à descoberta, havia sempre a expressão "está frio", ou "está calor" ou então "cansa muito".
Estas breves expressões têm um significado mais profundo do que se pensa, pois reflecte plenamente o espírito de muitos nós. É pena que assim seja, pois há muito para conhecer na extraordinária região de Sicó.
Será que é melhor ficar o tempo todo no sofá a ver a televisão de qualidade duvidosa? Será que é melhor ir sempre para o café à espera que o tempo passe? Claro que não!
Peguem numa carta militar (podem comprar através de: http://www.igeoe.pt/) de olhos fechados apontem para um sítio, ou então uma ideia que agora vos proponho.
Vejam a diversidade de topónimos existente nas várias cartas militares que abrangem a região de Sicó e partam em busca do significado desse topónimo.
Dou apenas algumas sugestões:
Fonte da Pedra; Quatro Lagoas; Vales Verdes; Vale Florido; Bouça do Ferreiro; Carrascal das Sete Fontes; Estercadas; Governos; Aldeia do Rio; Cabeço Nacreal; Terras Largas; Bica; Castelo; Escarramoa; Marrocos.

São apenas alguns dos milhares de hipóteses (topónimos) para explorar. Vão ver que por detrás de cada topónimo há histórias fabulosas. Desfrutem também da paisagem (cada vez mais fragmentada..) da região, pois ainda vale bem a pena.
Posso contar uma que vivi há 2 anos. Num trabalho de investigação, estava a analisar em estereoscopia uma fotografia aérea e deparei-me com algo que se assemelhava à "bordadura" de uma dolina (forma cársica). Como precisava de confirmar no terreno se era ou não aquilo que eu pensava, fui então ao local, onde infelizmente não consegui chegar. O mato era tão denso que apenas terei chegado uns 20 a 30 metros do local.
Indo à carta militar vi que o topónimo do lugar era "Castelo" e não é que após questionar um colega meu, cheguei à conclusão que o que me parecia uma dolina na fotografia aérea era afinal um castro (antigo povoamento)? Infelizmente está ao abandono, facto normal na região de Sicó. A arqueologia é muito mal tratada por estes lados...
Este é apenas um mero exemplo de histórias por detrás de topónimos esquecidos. Vão ver que se em vez de estarem no sofá a perder demasiado tempo ou no café a perder tempo e dinheiro, ficam mais felizes da vida ao fazerem algo de saudável (caminhar e conviver de forma saudável com amigo/as) e mais conscientes do património que a região encerra. Tudo isto através de uma forma alternativa e valorosa de conhecer o nosso território.
Não esqueço também outro facto muito importante, dialogar com as pessoas de muitos lugares esquecidos da região de Sicó é das coisas mais enriquecedoras que podemos fazer, elas têm algo que tem faltado aos nossos governantes, a sabedoria, a humildade e a simplicidade! Vão ver que elas ficam muito agradecidas por terem alguém para partilhar a ancestral sabedoria...
Os vossos horizontes ficarão mais alargados, isso vos garanto. Além disso mais tarde vão dizer para vós próprios: "o que eu tenho perdido..."

Sem comentários: