domingo, 5 de agosto de 2018

Precisamos de fontes!


Já tinha a foto deste engenho, situado em Soure, guardada há uns tempos no arquivo de fotografia para o azinheiragate. Os últimos dias têm sido complicados, tal a temperatura, a qual castiga o corpo sem piedade. Novos e velhos todos sofrem com esta vaga de calor que nos lembra que é Verão.
É a melhor altura para lembrar algo de muito importante. No meu tempo de miúdo era normal encontrar uma fonte pública para matar a sede em dias de calor. Isto em meio urbano, ou então outras fontes em meio rural. Quando se anda no campo é fabuloso saber que há uma fonte por perto. Em miúdo até se podia beber água, com uma folha de couve, dos riachos sem receio de ser envenenado por um qualquer veneno, algo de impensável nos dias de hoje... 
Nos últimos anos a tendência tem sido o desaparecimento de muitas destas fontes públicas, sejam ligadas à rede pública ou não, algo que me preocupa a vários níveis. Actualmente é ver várias destas fontes seladas, sem torneira a embelezar, enquanto que outras entretanto criadas estão em mau estado. Lembro-me inclusivamente de no início deste ano ter alertado uma autarquia para o mau estado de algumas das fontes públicas. Ou outra, que perdia água de uma forma galopante. Esta última foi prontamente arranjada e algumas das outras já funcionam normalmente.
De qualquer das formas, e como qualquer um de vós poderá constatar, são bastantes as fontes, algumas bem antigas, que simplesmente são uma recordação do passado. Estes dias com temperaturas acima do que o organismo está habituado, deviam relembrar-nos a todos a necessidade imperiosa que é ter fontes públicas em pleno funcionamento, um pouco por todos os núcleos urbanos, de forma a que locais ou visitantes possam beber a tão necessária água e não precisem de ir a uma loja comprar garrafas de água de... plástico. Não há nada como poder beber água numa fonte pública sempre que precisamos. Se há memórias fabulosas que tenho, algumas delas têm a ver com o rodar do engenho, até que surja água fresca para beber. Infelizmente alguns destes engenhos têm sido roubados... E mesmo em meio urbano não há nada como encontrar uma fonte pública e ter o privilégio de ter uma torneira com água pronta a beber.
Por isto e por muito mais fica o desafio para o recuperar das fontes públicas, relembrando igualmente da necessidade de preservar os recursos aquíferos!

Sem comentários: