quarta-feira, 17 de abril de 2019

"Mais depressa se apanha um incompetente do que um competente", já diz o "ditado"...


Desde miúdo que oiço um ditado que diz que "mais depressa se apanha um mentiroso do que um coxo", mas agora há um outro ditado: "mais depressa se detecta um presidente de junta incompetente do que um presidente de junta competente". Falo, claro, do presidente de junta de freguesia de Alvaiázere, o qual me surpreendeu pela negativa ao cometer duas ilegalidades no exercício de autarca e, depois de "apanhado", em vez de reconhecer o erro, surgiu com  a conversa da treta do costume. Já agora, porque é que o presidente da junta de freguesia de Alvaiázere ainda não foi demitido, como a lei aliás prevê em casos como este?!
Em Fevereiro último denunciei a abertura ilegal de dois estradões em plena Rede Natura 2000 (mais dois entre muitos em Alvaiázere...) por parte da Junta de Freguesia de Alvaiázere. Confirmada a ilegalidade pelas autoridades (recebi hoje mesmo o ofício!), eis que o presidente da junta surgiu com as afirmações (balelas..) que eu antecipava...
Há poucos dias fui ao terreno fazer uma avaliação dos estragos e do real impacto num destes estradões, concretamente na Boca da Mata, um local idílico. Agora, já feita a análise, passo a dissertar sobre esta questão, já de uma forma mais objectiva.
Aproveitei para ler o que se disse na imprensa, nomeadamente de um alegado morador, que não se identificou, mas que quis dar a sua opinião. Disse que a abertura do estradão era uma necessidade por causa do fogo (deve ter querido dizer da caça...). Falso! Existiam ali caminhos que, desde que fossem limpos, resolveriam o problema facilmente. Conheço muito bem o local! Noutros sectores, pequenas intervenções não intrusivas mitigariam a questão sem impactos de monta. Apesar deste mesmo morador ter dito numa primeira fase que ninguém conseguia ali passar (falso!), logo de seguida diz que os donos dos terrenos conseguem passar com mais facilidade... Em que ficamos? E fala dos donos dos terrenos abandonados? As silvas são fáceis de cortar. Depois, sobre os megalapiás, disse que o local continua intacto, facto que, tal como podem ver pelas fotos, não é verdade. Foram destruídos megalapiás e lapiás, que, só por curiosidade, são habitats protegidos... Achei também engraçado este morador dizer que os megalapiás podiam ser melhor preservados com o corte das silvas que os cobrem nalguns sectores. Curioso confundir a mera visualização dos mesmos com preservação, algo que só demonstra o  que afinal sabe de geoconservação...
Mas deixemo-nos de rodeios e vamos ao cerne da questão. Na primeira fotografia podem ver a importância que o presidente da junta de Alvaiázere dá ao património. Um antigo lagar destruído e o desprezo pelo espólio respectivo!
Já as seguintes fotografias dão uma ideia do que se destruiu, desde carvalhos, oliveiras, lapiás, megalapiás, um antigo depósito de água raro, antigos caminhos seculares, abandonados, etc. Já nem falo de eventuais vestígios arqueológicos, presentes naquela área (uns já descobertos e outros por descobrir...). A integridade deste local idílico foi posta em causa. Um recurso fabuloso afectado por incompetência grosseira do presidente da junta de Alvaiázere. Eu teria vergonha na cara e pediria a minha demissão...
Um presidente de junta competente não faria isto. Um presidente de junta competente falaria com a Engenheira Florestal da Câmara, de forma a resolver o problema. Ela falaria com o ICNF e trataria a questão da melhor forma. Seria fácil, pois de facto existiam ali caminhos, os quais, em boa parte, poderiam ser limpos de vegetação (tal como já aconteceu noutro caso) e, noutros locais, bastaria uma intervenção não invasiva para possibilitar o trânsito de tractores ou veículos vários. Mas isso não chegaria para o lóbi da caça, que tem também ali interesses... (estais aí sr ex bigodes?)
Mas afinal a freguesia de Alvaiázere não tem um presidente de junta competente, já que este, à revelia de todas as regras e leis às quais está sujeito, decidiu que o que importava era abrir dois estradões, mesmo que contra a lei e sem prestar contas a ninguém. Estas acções ilegais são passíveis de levar a uma exoneração do respectivo autarca!
Confesso que não esperava isto por parte do presidente da junta de Alvaiázere, seja por o conhecer, seja porque há todo um historial vergonhoso de abertura de estradões em Alvaiázere e Almoster que devia ter servido de lição a todos. E aqueles que aplaudem esta acção ilegal, preparem a carteira, pois vão ser chamados a pagar as respectivas coimas decorrentes de mais estes dois estradões ilegais. Há que tenha orgulho em ser ignorante...
Termino com uma questão ao presidente da junta de Alvaiázere, se eu comprar um terreno na sua freguesia e lhe pedir para me recuperar uma casa antiga, você empresta as máquinas, trabalhadores da junta e ainda cede uns trocos para reabilitar a casa? É que, pela sua lógica, parece que basta pedir para que se faça algo de ilegal, tal como aconteceu com estes dois estradões...











Sem comentários: