terça-feira, 14 de novembro de 2017

Uma janela sobre a literacia ambiental...


Uma das questões com a qual me deparo mais vezes, quando falo com as pessoas sobre ambiente, é quiçá a mais importante de todas. Falo, claro da literacia ambiental, da percepção que temos sobre o nosso território, sobre aquela que é afinal a nossa casa, o planeta terra. Não conhecer todas as divisões da nossa casa é um problema estrutural, daí eu já há vários anos fazer este investimento pessoal e profissional em prol da causa maior que é a sensibilização ambiental.
Há poucas semanas, e quando me cruzei na rua com uma pessoa amiga, acabámos por ficar ali a falar longos minutos sobre a temática do mundo natural. Ouvi algo que me preocupou e que, tal como acima referi, é algo que o qual sou confrontado demasiadas vezes. Em termos muito resumidos, aquela pessoa dizia-me que tinha uns terrenos que não valiam nada e que eram um estorvo. Na brincadeira até me disse se eu queria os terrenos. Ou seja, por não ser possível construir ali uma casa ou por não ser um terreno agrícola, não tinha qualquer valor.
Comecei logo a rebater os factos, dizendo que aqueles argumentos não justificam o desprezo pelos terrenos, até porque eles têm funções que normalmente desconhecemos ou que basicamente não achamos importantes, talvez porque essas funções estão, por enquanto garantidas. Falo, claro, dos serviços dos ecossistemas. Estes serviços dos ecossistemas são basicamente benefícios que nós, enquanto sociedade, retiramos dos ecossistemas. Estes serviços dividem-se por serviços de produção (ex. alimentos, água, medicamentos), de regulação (polinização, regulação climática, mitigação de cheias, controlo de pragas, etc), serviços culturais (ex. educação, recreação, património, espiritual) e serviços de suporte (manutenção da biodiversidade, reciclagem de nutrientes, produção primária).
Boa parte de nós desconhece, na prática, estes factos, daí não lhes dar o seu real valor e não incluir a defesa destes valores na sua cidadania, activa muitas vezes em outros temas e simplesmente ausente nesta questão de primordial importância na nossa existência.
Agora duas questões se colocam, a primeira é se vão resistir a fazer uma busca no computador ou no telemóvel inteligente sobre os serviços dos ecossistemas e se da próxima vez que se meterem num carro (ou bicicleta ou a pé...) e palmilharem dezenas de km continuarão a desconhecer que todas aquelas diferenças que vêm na paisagem natural têm uma função, a qual pode ser essencial para a vossa existência. Aproveito para vos sugerir a leitura do livro "pensar como uma montanha" de Aldo Leopold.
Cada vez mais me apercebo que o caminho de sensibilização que tenho em frente nos próximos anos é hercúleo. Haja saúde...

Sem comentários: