segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

O erro assimilado com normalidade...


Era algo que estava na lista de espera dos comentários há vários meses. Com tanta acção na região de Sicó, é sempre difícil de gerir uma data exacta para abordar um determinado tema. Eis então que chegamos ao dia esperado.
Logo que detectei esta placa, pensei logo em incluí-la nos meus comentários, já que é matéria-prima para trabalhar no âmbito do azinheiragate. Conheço este local desde criança, daí ter ficado algo espantado com a falta de originalidade aquando da atribuição do nome desta rua. Não faltavam motivos para basear o nome de uma rua, contudo optou-se pelos "eucaliptos". Nunca escondi uma espécie de ódio que tenho pelos eucaliptos, já que estes têm representado um verdadeiro terrorista, que baseados numa fé pelo lucro rápido (caso não ardam...), têm desvirtuado também este território. A vegetação autóctone é arrasada, caso de carvalhos, azinheiras, medronheiros e afins, o solo vai à vida e surge o eucalipto, muitas vezes de forma ilegal. E mesmo quando denunciados, só se paga uma multa e os eucaliptos lá continuam. O eucalipto tem promovido um verdadeiro desordenamento do território e da floresta.
Claro que há espaço para o eucalipto, contudo, e tal como se costuma dizer, tudo o que é demais cheira mal. Urge voltar a plantar carvalhos, azinheiras, medronheiros e todo o tipo de vegetação autóctone. E depois começar a retirar dali rendimento. Sim, é possível, o problema é que o pessoal gosta de ganhar mais possível sem fazer nada e pensando apenas em si...

Sem comentários: