quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Eu queria dizer que sim, mas não consigo...




No início do mês de Janeiro abordei aqui uma questão com a qual lido há alguns anos. Passadas 3 semanas do comentário, eis que me disseram que a situação tinha sido resolvida. Gosto de pensar que o comentário ajudou a mitigar o problema. Fiquei bastante contente, no entanto fiquei curioso, já que em vez de resolvida, disseram-me que a situação tinha sido "resolvida". 
Eis que me desloquei até ao local, na ânsia de efectuar o respectivo registo fotográfico, bem como de elaborar este mesmo comentário. Até lá chegar, pensava apenas nos elogios que deveria fazer, pois há que aplaudir acções de limpeza. Não sei se foi a Câmara Municipal de Ansião ou a Junta de Freguesia de Chão de Couce que meteram mãos à obra, mas penso que daqui a uns dias saberei quem foi.
Mas afinal havia ali algo que me incomodou bastante. É certo que houve intervenção, é certo que alguns dos monos foram retirados, caso dos colchões, mas porque carga de água se enterraram (mal...) alguns pára-choques, em vez de os retirar? Faz algum sentido? Qual a lógica associada?
Se nesta intervenção tivessem sido retirados também os pára-choques, pneus e mais algumas coisas, aí até ficaria contente, mas assim não, muito pelo contrário. Tenho de condenar veemente esta atitude e não a deixar passar em branco, de forma a que as boas práticas sejam consolidadas e os maus hábitos extintos.
Não basta mandar para ali uma máquina e eventualmente uma carrinha, para retirar os colchões, tem de se enviar uma máquina e uma carrinha para retirar tudo aquilo que é possível. E se for precisa ajuda, também se arranja. É certo que é difícil limpar tudo, mas pelo menos o básico tem de ser feito...





Sem comentários: