domingo, 9 de fevereiro de 2014

É apenas uma questão de tempo...



É uma questão que já há vários anos me preocupa enquanto geógrafo físico e também enquanto cidadão. Penso que é a segunda vez que abordo aqui o tema da dinâmica de vertentes, tema este que é entendido como algo sem interesse pela maioria de vós, pelo menos até a vertente bater à porta, no sentido literal.
Em 2006, quando andava a palmilhar a Serra de Alvaiázere, durante o trabalho de campo da tese de mestrado, deparei-me com uma situação que me prendeu a atenção. Tratava-se de uma extensa área, situada a meia vertente (Sul) da Serra de Alvaiázere, a qual estava numa situação nada estável, estando bem à vista isso mesmo. Seja pelos enormes blocos calcários, seja por uma extensa cicatriz de deslizamento, fiquei bastante preocupado com aquela situação. Apesar de, na altura, já terem passado 3 anos da pertinente disciplina dinâmica de vertentes, durante a licenciatura, os olhos ainda estavam bem treinados para este tipo de situações.
Poucos meses depois, aquando de uma visita de um professor universitário, aproveitei para o levar lá e consegui também que Paulo Tito Delgado fosse também, de forma a constatar in loco esta ameaça. Ninguém ficou indiferente ao caso, nesse dia, tendo eu aproveitado para sugerir que a Câmara Municipal de Alvaiázere começasse a monitorizar esta situação, já que ela apresentava e apresenta ainda, um risco para a população situada mais abaixo, tal como a primeira fotografia mostra. Infelizmente nada se fez para acompanhar esta situação.
Não é certo quando é que a vertente se irá mover, ou mesmo os enormes blocos, pois isso pode acontecer independentemente um do outro. O certo é que isso irá acontecer mais tarde ou mais cedo, daí eu voltar a insistir num acompanhamento das entidades para isso credenciadas, nomeadamente pela Câmara Municipal de Alvaiázere, já que isso é a sua competência e responsabilidade em termos de protecção civil.
Quando surgiu novamente o projecto para o parque eólico da Serra de Alvaiázere, e sabendo que queriam colocar duas torres na proximidade daquela área, fiquei ainda mais preocupado, pois era intenção utilizar explosivos durante o processo de construção das sapatas, o que poderia ter consequências em termos de estabilidade de vertentes. Nessa altura voltei a abordar o caso, por escrito, alertando para a situação. Mais uma vez, nada se fez...
Soluções? Sim, havia e eu até coloquei em cima da mesa algumas. Uma delas foi a de celebrar protocolos com universidades, já que, na altura, eu apresentei 3 ideias para protocolos com 3 universidades portuguesas. Duas destas estavam receptivas, pois, através de contactos prévios, estas já tinham mostrado disponibilidade. A terceira também estaria, no entanto, e na altura, a proximidade ainda não era a indicada, portanto qualquer eventual protocolo não surgiria tão rápido como nos dois primeiros. E para que seriam estes protocolos? Simples, para várias coisas, todas elas ligadas à investigação, pois estabelecendo parcerias, rapidamente surgiriam estudantes interessados em investigar este e outros casos, a custo muito reduzido, quando comparado com aquele que acaba por resultar aquando da contratação de empresas do ramo. Até apresentei a ideia de criar um espaço para receber estes investigadores, através da reabilitação de uma antiga escola primária. Contudo nada disto interessou a Tito Morgado, algo que este nunca esclareceu cabalmente.
Finalizando, espero que aquela vertente se mantenha assim, quietinha, mas se isso não acontecer, eu estarei de consciência tranquila caso haja danos ou perdas humanas, pois alertei para a situação, várias vezes!




Sem comentários: