quinta-feira, 22 de setembro de 2011

O BTT e a sua relação com o património natural e cultural da região de Sicó

É um dos muitos temas sobre o qual tenho particular gosto em falar, a relação de uma actividade desportiva e/ou de lazer, com o património da região de Sicó, seja património natural, cultural ou outro mais.
Juntar o andar de bicicleta com a fruição deste valioso património é algo de fabuloso, isso é um facto. Diria mais, o andar de bicicleta, seja de estrada ou não, é a forma mais interessante de conhecer todo o património da região de Sicó, dado que muito facilmente se consegue ir a locais que de outra forma não se consegue ir. Obviamente que a pé conseguiria ir a todos os locais de interesse, mas de bicicleta consegue-se ir a muitos mais, e de forma mais rápida.
Tenho visto com algum interesse o papel de alguns grupos de BTT nesta questão, os quais têm realizado muitas provas, as quais têm trazido muitos visitantes à região de Sicó. Não vou aqui falar de alguns erros que tenho observado neste âmbito, isso fica para outras oportunidades, embora já tenha, por uma vez feito uma chamada de atenção para aspectos menos positivos. Interessa-me, por agora, dar uma palavra de apreço aos clubes de BTT da região de Sicó, caso dos ansibikers, deixando eu o desafio para que no próximo ano seja realizado uma prova de BTT denominada por exemplo como “Trilhos da geodiversidade de Sicó”. Quem estiver interessado em desenvolver esta ideia, pode facilmente entrar em contacto comigo, que eu darei o devido apoio técnico, com vista à organização de uma prova com evidente interesse turístico, e logo de forma inovadora.
Como sou uma pessoa que faz questão de utilizar a bicicleta no seu dia-a-dia, coisa rara na região de Sicó (bem vinda e-ginga!), tenho uma especial apetência por esta questão, ainda mais podendo aliar este meu gosto à questão profissional. Em 2008 elaborei dois percursos de BTT, pensando exactamente na questão do património natural e cultural, percursos estes que englobaram um sector que engloba Ansião e Alvaiázere. Lamento que nenhuma das autarquias tenha aproveitado o trabalho, mesmo que eu tenha oferecido cópias, em digital e em papel, aos respectivos municípios...
Fica então a nota sobre um tema que interessa cada vez a mais pessoas, sejam ou não da região de Sicó. Brevemente voltarei a esta questão, mas de uma forma diferenciada, para já deixo aqui a ponta do novelo, a qual espero que alguns de vós comecem a puxar, pois vale mesmo a pena!
Só mesmo para finalizar, e para quem pretende adquirir uma bicicleta, seja de estrada ou de BTT, o meu apelo vai no sentido da preferência sobre as marcas nacionais, pois mesmo apesar de poucas, temos marcas de qualidade, que exportam. O que é nacional é bom! E caso me venham com a conversa que são caras, eu direi apenas que é falso, pois, a título de exemplo, tenho visto várias pessoas a comprar bicicletas desdobráveis, de marcas estrangeiras, por 300 euros (ou bem mais...), e eu, ainda em 2010, comprei uma, de marca tuga, por uns meros 150 euros, estando plenamente satisfeito com a aquisição. A crise também o é devido ao nosso infundado descrédito sobre o produto nacional! 


2 comentários:

MJ disse...

Boas, só por curiosidade, não arranja os tracks GPS desses dois percursos? Tb sou praticante de BTT (apaixonado por Sicó) e gostaria de explorar qd possível o(s) percurso(s) que delineou.

Cumps,
MDiogo

João Paulo Forte disse...

Irei ver a possibilidade de disponibilizar os shapefiles (ou outro formato) a quem estiver interessado, já que o património é para ser valorizado.
João Forte