terça-feira, 8 de março de 2011

CAVICAN: algo que era fundamental mas que...


A CAVICAN, Cooperativa Avícola do Concelho de Ansião, foi algo que teve um impacto muito positivo, não só no concelho de Ansião, mas também na própria região de Sicó. Tratava os dejectos decorrentes da actividade da indústria avícola local, mitigando um problema muito grave, comparável ao problema das suiniculturas da região de Leiria, nomeadamente na Ribeira dos Milagres.
Durante vários anos estes dejectos eram, por vezes, abandonados em grandes quantidades em locais pouco próprios, causando poluição grave dos aquíferos do Maciço de Sicó. Isto em vez de serem utilizados na agricultura ou aproveitados para fertilizantes. Entretanto surgiu a CAVICAN para resolver o problema.
Mas foi sol de pouca dura, devido a problemas que não pretendo aqui abordar de forma aprofundada, as instalações que vêm nas fotos foram encerradas, dando muita polémica, problemas nos tribunais e assunto para alguns jornais locais.
São poucos os que conhecem a localização deste edifício, mas quando passarem na recta da Lapa, já depois de entrar no concelho de Ansião, vindos de Pombal pelo IC8, olhem para a vossa esquerda e verão um edifício meio "escondido" no meio de eucaliptos.
Tenho pena que tenha acabado como acabou, pois era algo de importantíssimo para a região de Sicó. Foi mal gerido, foi mal apoiado pelas autarquias (é um problema para todas elas...) e teve um desfecho comum a muitos projectos com dinheiros comunitários. Podia ter-se aproveitado a sério o biogás, podia ter-se aproveitado a sério o segmento de mercado que é o dos fertilizantes e podia ter-se aproveitado para matar de vez um problema gravíssimo que é a deposição criminosa de toneladas e toneladas de resíduos que quando mal enquadrados poluem de forma bastante gravosa, como é o caso muito especial desta região cársica.
Fico bastante irritado quando vejo as autarquias queixarem-se desta situação, quando afinal podiam ter tido um papel fundamental na questão da CAVICAN, assegurando não só a sua continuidade, mas também a sua expansão, já que era uma infraestrutura manifestamente diminuta tendo em conta a quantidade de empresas avícolas que operam na região. Sei bem o que digo pois trabalhei vários anos em duas destas empresas, as quais infelizmente também preferem alhear-se desta questão, sendo poucas as que efectivamente se interessam pela resolução deste problema. Infelizmente é bem mais fácil pegar num tractor e ir despejar num qualquer terreno esquecido...
Gostava, sinceramente, que alguém pegasse nesta questão e a resolvesse, mas temo que isso não aconteça. O costume nestas coisas é que só se resolve se a poluição começar a afectar as redondezas da casa de alguém influente.
Entretando quem paga são os aquíferos e consequentemente quem no futuro necessitar deles para se abastecer, ou seja nós!


4 comentários:

Zaida Manuela disse...

Olá João!
Eu concordo que a CAVICAN, seria uma coisa boa para o conselho. Até que ela esta a funcionar novamente. Mas visto que os actuais donos não metem o filtro a funcionar como deve de ser, levamos todos os dias com um cheiro que não dá para andar na rua. Não se pode abrir as janelas de casa. Há dias que não se consegue cheirar o que estão a queimar, mas que ficamos com os pulmões a arder. Ou seja, a poluição continua da pior maneira. Essas coisas só funcionam bem se forem bem geridas. E foi disso que o povo tinha medo, e é isso que esta a acontecer. Foi bom para umas coisas, mas está a ser mau para a nossa saúde. E isso ninguém vê. O pequeno está sempre tramado. Já que a CAVICAN está novamente a funcionar, o mínimo que devem fazer é por a funcionar como deve de ser. Ou seja, não causar problemas para a saúde publica.
Obrigada e desculpe por alguma coisa que tenha dito que posse ter ofendido alguém.

João Paulo Forte disse...

Cara Zaida, obrigado pelo seu comentário, algo que só enriquece a discussão. Há poucas semanas atrás passei ao lado desta empresa, e reparei que algo não estava bem, já que o mau cheiro era por demais evidente. Tem toda a razão quando diz que aquilo só funciona bem quando bem gerida. Sobre a questão do filtro, caso veja que ele não está a funcionar como deve ser, sugiro que faça queixa disso mesmo, pois só assim é que muitas vezes as coisas se resolvem. Irei estar atento a esta questão. E não se preocupe, não ofendeu ninguém. Fez o seu papel e exerceu a sua cidadania, algo que aplaudo.

Zaida Manuela disse...

Boa noite João,
Obrigada pela sua rápida resposta.
A queixa já foi feita e não só por mim, mas não adiantou nada. Tivemos uma semana sem cheiro, mas depois voltou tudo ao mesmo. Também já falamos com os donos, e isso também não adiantou. É pena, porque é uma coisa que podia correr tão bem.
Pelo aquilo que eu percebi, o filtro leva um liquido que filtra os maus cheiros entre outros. E esse liquido fica muito caro, e então não o metem.
Obrigada e boa noite.

João Paulo Forte disse...

Sugiro então uma queixa à CCDR-Centro, via mail, a expor a situação. Quando fui tirar fotografias para o comentário que fiz em Janeiro deste ano (veja o comentário sff), sobre os incêndios, passei ao lado da CAVICAN, pois a situação do despejo de estrume, que falei nesse comentário, era a escassas centenas de metros desse edifício. Nessa altura fiquei muito mal impressionado com o cheirete que por ali andava... O filtro terá de funcionar, independentemente do preço, pois a saúde pública está acima de tudo.