terça-feira, 6 de abril de 2010

Dia Nacional dos Moinhos: 7 de Abril


Amanhã, dia 7 de Abril, comemora-se um dia que eu gostaria que tivesse significado na região de Sicó, mas infelizmente o cenário no que concerne a esta temática deixa muito a desejar. Afinal os Moinhos de Vento foram uma das muitas imagens de marca da região de Sicó...

Foram muitas dezenas de moinhos de vento os que existiram na região há décadas atrás, infelizmente o cenário hoje em dia é dramático, um património que poderia reverter a nosso favor, está actualmente esquecido. Na década de 90 do século XX, houve ainda uma ténue tentativa de fazer algo para recuperar de alguma forma este património, mas infelizmente nem isso teve sucesso. A razão foi simples e comum a muitos projectos com apoio dos fundos comunitários, recuperaram-se alguns moinhos de vento, mas apenas de madeira, e quando os fundos foram gastos começou a triste sina da nossa região. Projecto chave na mão nunca é solução!

Hoje em dia mesmo esses moinhos estão ao abandono, com a madeira apodrecida, casos que podemos observar por exemplo em Serras como a da Portela, Janeanes (em destaque na primeira fotografia) e muito mais, são apenas exemplos demonstrativos da realidade a nível regional. Há também um caso particular em Alvaiázere, o qual serve para armazenar bebidas para o pessoal fazer festas, algo de lamentável tendo em conta que os fundos comunitários não podem ser utilizados para fazer "tascas".

Muito embora este mau exemplo, há também um bom exemplo em Alvaiázere, representado pela segunda fotografia, um moinho recuperado pelos locais (Pelmá) e que ainda serve em ocasiões especiais, algo de salutar.


Temos também o caso mais comum ilustrado pela foto acima, no qual apenas restam as lajes por onde as rodas de pedra rolavam. Há casos como este que ficam longe do acesso de ladrões e infelizmente há outros casos em que vulgares ladrões roubam estas lajes para serem vendidas para jardins particulares.

É algo que me irrita profundamente, um recurso fantástico ao abandono. Lembro-me ainda da última vez em que assisti ao funcionamento de um moinho de vento que na altura ainda funcionava. Foi em 2003 e andava nessa altura na prevenção aos incêndios, fazendo além da prevenção propriamente dita, vigia em alguns miradouros, caso do miradouro da Melriça.

Nesse ano o moleiro ainda ia de vez em quando ao moinho para o pôr a funcionar e moer cereais, era algo de muito bonito de ser ver. Além disso o cheiro era algo de realmente fabuloso, ficava algo cheio de pó, mas valia a pena, já que são coisas que para mim têm um valor extraordinário.

Há muitas formas de valorizar este património, é apenas necessário pensar as coisas e falar com as pessoas certas... Quando digo as pessoas certas não são pessoas de empresas, mas sim os locais, pois os anciãos (idosos) é que são sábios nestas questões!
Nesta região tem-se um mau hábito (entre muitos outros), se é alguém da terra é um "tanso", mas se é alguém de fora, inclusivé com as mesmas habilitações, já é um sabichão. Desta forma contrata-se pessoas de fora sem know-how para virem cá buscar o dinheirinho e fazer trabalhos muitas vezes sem nexo e sem continuidade, pensem nisto!

Fiquem com um link bem interessante:

Sem comentários: